Introdução

Como sempre faz, nossa agremiação procura temas enredos que contribuam para engrandecer conhecimentos de nossos componentes e dos assistentes de nosso desfile no carnaval.

Pensando sempre assim coruja do samba lança o desafio de trazer um tema enredo polemico, o qual talvez seja visto por muitos com olhares preconceituosos...Um tema enredo que contará a história de idealismo e lutas que completa no ano de 2012, 90 anos de colaboração com a própria história do Brasil.

Sabemos ser um tema enredo que, ao mesmo tempo que é polemico, é também rico, pois mexe com uma parte da historia do país ainda, até os dias atuais, não contada nos mínimos detalhes para todo o povo brasileiro.

Iremos então trazer em nosso desfile no Carnaval 2012 os 90 anos de organização político/social dos comunistas no Brasil começando pela fundação de um partido político,o PC do B, passando pelas muitas décadas em que, perseguidos por governos de regimes totalitários e ditadores, os comunistas tiveram que militar na clandestinidade e  terminando nosso desfile lembrando que atualmente os comunistas fazem parte direta e indiretamente das conquistas alçadas por nosso Brasil, inclusive participando do governo federal.

Graças a Deus hoje em dia, com a redemocratização do Brasil,  podemos finalmente falar de comunismo sem ter que ser obrigados por regimes governamentais a citá-los como “comedores de criancinhas” e ou anticristos.

 

O começo desta história de 90 anos

 

A história do movimento comunista no Brasil começou gerada por um grande movimento comunista mundial que teve como ponto de partida a fundação da INTERNACIONAL COMUNISTA organização que foi criada na  Rússia em 1919 com o objetivo de criar uma União Mundial de Repúblicas comunistas.

Karl Max e Lênin foram os principais articuladores e criadores da Internacional comunista.

Logo após a fundação da Internacional comunista, surgiram Partidos comunistas em todos continentes da terra, inclusive no continente americano, na Argentina, Uruguai e Chile.

No dia 25/3/1922 nasce o Partido Comunista do Brasil. O congresso da fundação ocorre no Rio de Janeiro na cidade de Niterói. Nove delegados de todo o Brasil representam os grupos comunistas fundadores deste partido no Brasil.

Para se articularem melhor, em 1º de Maio de1925, surge A Classe Operária, "jornal de trabalhadores, ligado ao movimento comunista e feito por trabalhadores, para trabalhadores" e órgão central do PC do B (partido Comunista do Brasil). O Jornal foi lançado como semanário, no Rio de janeiro, com tiragem de 5 mil exemplares. A polícia fecha o jornal logo após o nº 12, mas ele reaparece em 1928, seguindo uma trajetória ora legal, ora clandestino, até hoje. Nenhum órgão da imprensa popular brasileira tem uma história tão longa. Nenhum foi tão perseguido. Nenhum tem a mesma folha de serviços prestados aos interesses presentes e futuros do povo trabalhador.

Já em 1927 o Partido Comunista do Brasil lança o BOC, Bloco Operário e Camponês, inicialmente chamado apenas Bloco Operário. É o 1º ensaio de política partidária de frente dos comunistas. E nas eleições de 1928 o partido então consegue eleger dois comunistas, vereadores no Rio de Janeiro. É uma expressiva vitória, pois a Câmara do então DF (capital do Brasil) tinha apenas 12 cadeiras, ou seja, 12 Vereadores.

 

Em 3 setembro de 1937, quando o povo brasileiro aguardava as eleições presidenciais marcadas para janeiro de 1938, foi denunciado pelo governo de Getúlio Vargas (Presidente do Brasil à época), a existência de um suposto plano comunista para tomada do poder. (Anos mais tarde descobriu-se que este plano foi forjado por um adepto do integralismo de Getulio Vara).

Com a comoção popular causada pela denuncia, aliada com a instabilidade política gerada pela dita Intentona Comunista, e com as seguidas vezes em que foi decretado estado de sítio no Brasil, foi sem resistência que Getúlio Vargas deu um golpe de estado e instaurou uma ditadura em 10 de novembro de 1937, através de um pronunciamento transmitido por rádio a todo o País. Era o nascimento do chamado Estado Novo.

 

Com esta ditadura getulista em 1943 o Partido Comunista do Brasil é duramente atingido pelo “Estado Novo”, mas mesmo proibido o partido reúne clandestinamente na Cidade de Engenheiro Passos/RJ, representantes do DF, SP, RJ, MG, PR, RS, BA, SE e PB. Nesta reunião aprova linha de "união nacional" se comprometendo a empenhar-se para o Brasil entrar na guerra contra o nazismo, elegendo Luiz Carlos Prestes para o Presidente do Partido.

O período do estado novo no Brasil é marcado pela prisão de vários militantes ditos pelo governo como comunistas contrários aos interesses do Brasil. O governo ditador os classificava como terroristas para a opinião publica, tentando assim desviar qual era a real intenção dos comunistas que eram contrários ao governo que apenas governava com benefícios para a elite e a classe media alta brasileira.

 

Em Abril de 1945, a Anistia aos presos políticos marca o fim da ditadura do Estado Novo, e a legalidade na prática do PC do B. E na eleição da Constituinte deste mesmo ano o partido elege Luiz Carlos Prestes senador e 14 deputados (em SP, DF, PE, RJ, RS, BA). No ano seguinte já tem 150 mil membros. Porem em 1947 o partido sofre nova represália política, sobretudo pela política repressiva do gen. Dutra eleito Presidente em 1945. Dutra tinha sido expulso do ministério da defesa que ocupava no governo Getulio Vargas, e após sair do governo articulou e participou, embora não muito intensamente, da deposição de Getúlio Vargas em outubro de 1945.  

 

A cassação dos deputados comunistas recebe a alegação que o Partido Comunista tem caráter internacionalista e portanto estrangeiro. Alega-se, como prova banal o fato de ele chamar-se Partido Comunista do Brasil e não Brasileiro.

Também no mês de Abril, porem no ano de 1972, começa a Guerrilha do Araguaia que foi, segundo historiadores, um movimento guerrilheiro (e quando o citam como movimento guerrilheiro dão-lhe uma conotação errada como se fossem terroristas) criado pelo Partido Comunista do Brasil (PCdoB), e que tinha como o objetivo fomentar uma revolução socialista no Brasil, a ser iniciada no campo, baseado nas experiências vitoriosas da Revolução Cubana e da Revolução Chinesa.. O Exército, Aeronáutica e PM atacam militantes e moradores da região de Marabá, sul do PA. O PCdoB decide resistir e forma as Forças Guerrilheiras do Araguaia, com apoio da população local. A ditadura militar proíbe toda notícia sobre a guerrilha. Mas só consegue esmagá-la em 1975, na 3ª campanha de aniquilamento, praticando uma guerra suja, sem fazer prisioneiros, matando cruelmente todos militantes da guerrilha do Araguaia.

 

Só em 1985 o PCdoB, é novamente legitimado e retoma seu posto no Legislativo, mas esta “re-legalidade” do partido teve o inicio da década de 80 (1980 a 1989) como ponto de partida para a retomada da legalidade.

Foi um período de 38 anos onde o partido teve q atuar na clandestinidade, tendo muito de seus pares sido perseguidos, torturados e até desaparecidos (mortos).

 

Em 1984 na celebre Campanha das Diretas Já. Em 3 meses, mais de 8 milhões de brasileiros saem às ruas exigindo eleições diretas para presidente. É a maior campanha de massas da história do país. O gen. Figueiredo (então presidente em exercício do Brasil na época, eleito por um colegiado de militares e não pelo voto direto) apela para as medidas de emergência e a força bruta. A emenda das diretas não passa na Câmara (faltam 22 votos para os 2/3 exigidos), mas o regime militar sai ferido de morte. O PCdoB se engaja de corpo e alma na campanha. As bandeiras comunistas ganham as praças desafiando a ditadura militar.

 

É também em 1984 que nasceu a UJS (União da Juventude Socialista), política e ideologicamente identificada com o PCdoB, em ato público na Assembléia Legislativa de SP. Aldo Rebelo é o seu 1º dirigente. Organizada em todo o Brasil, com forte inserção no movimento secundarista e universitário, a UJS lançará raízes também em outras áreas-chave da juventude brasileira, como o movimento hip-hop, o samba e até em desfiles carnavalescos. Até os dias atuais temos o bloco cara pintadas fruto desta época e que desfila 1 semana antes do carnaval pelo bairro do Bixiga (Bela Vista) em São Paulo e é fruto da época de fundação da UJS.

 

Já nos dias atuais, sob regime de democracia plena, ou pelo menos citada assim, os comunistas têm plenos direitos políticos reconhecidos, participando ativamente da vida política e social do Brasil, dando enorme contribuição para que nosso Brasil, seja sempre respeitado em sua soberania social, cultural e política.

Parabéns comunistas do Brasil..

São 90 anos defendendo nossa terra,

Nosso ar, nosso mar e nosso chão...

 

TEMA ENREDO  CARNAVAL 2012

Quem Sabe Faz a Hora, Não Espera Acontecer...
90 Anos de Lutas...

Com as Digitais Marcadas na História do Brasil